What´s new, Lili? Dicas de viagens. Enjoy!











{outubro 15, 2008}   Nas areias do Saara

 

ao fundo a Esfinge e a Pirâmide de Queops

ao fundo a Esfinge e a Pirâmide de Queops

Aí vão mais lembranças de viagem:

Também, no inverno de 2007 (janeiro), fomos ao Egito.

Entre as 6.000 fotos que tiramos, separei essas duas.

Em Gize, na frente das Grandes Pirâmides e da Esfinge – nos sentimos como se estivéssemos em São Paulo, com pirâmides no centro da cidade – rodeados de MacDonald´s , Pizza Huts e KFCs.

Ramsés e Nefertari????

Ramsés e Nefertari????

Na Ilha faraônica – espécie de Disneylândia egípcia, que demonstra, através de parque temático, o dia-a-dia dos tempos dos faraós – vestidos como Ramsés II e sua esposa, Nefertari. Neste vídeo, como os atigos egípcios faziam os papiros.

Grandes lembranças – especialmente para mim, que sou historiadora. 

Esperei 50 anos para fazer essa viagem, o que me faz lembrar de nunca desistir de meus sonhos.

Subindo de camelo na Núbia – Pensei que seria difícil, mas é muito mais fácil que subir num cavalo. Para descer, também, porque o camelo se abaixa.  Não podemos deixar de registrar que esse passeio complementar ao do barco, foi gentileza de nossos amigos de Luxor, Egito, Mostafa e Marwa.

Andando de camelo na Núbia – É muito gostoso, mas depois de algum tempo, a coluna começa a doer com o sacolejo do animal.

Bassem e os hieroglifos – nosso guia no Egito explicando as inscrições no templo de Philae

Belly dance- Show de dança do ventre no barco-restaurante Scarabee, no Rio Nilo, Cairo, Egito

Festa Núbia: Show de dança núbia, durante a festa da Galabea (túnica), no navio do cruzeiro pelo rio Nilo – M. S. Odissey.

passeio de barco para a vila Núbia – Nosso amigo de Luxor, Mostafa, alugou um barco para nos levar até uma vila Núbia, onde, depois, andamos de camelo, como pode ser visto nos 3 primeiros vídeos aqui uploaded. Foi uma viagem maravilhosa, onde pudemos conhecer mais de perto o povo egípcio e seu modo simples de viver.  Primeiramente, aparece a Fátima, empresária de Luxor que exporta artigos egípcios pela internet.  Depois, aparece o nosso anfitrião, Mostafa com sua linda e inteiramente coberta, esposa, Marwa (de rosa, só com o rosto de fora – mesmo sobre as luvas de cetim azul, brilham seus inúmeros anéis de ouro).  Ao fim, eu apareço, qual um casulo de véus e casacos, tal o frio que lá fazia em janeiro.  Cumpre-me informar, enocionada, que o deus crocodilo SOBEK fez-se presente e levou, como tributo, meus óculos escuros, para as águas profundas e escuras do Nilo… Não é poético??????

Gostei tanto que: Apresentação de dança do ventre da Sara Caldas, na minha festa de aniversário no Restaurante Al Khayan e para mostrar o foto-álbum da viagem ao Egito – março/2007



{outubro 13, 2008}   Paris – a cidade luz
morrendo de frio no Arc du Triomphe

morrendo de frio no Arc du Triomphe

Revendo o álbum de fotos de minha segunda viagem a Paris, em fevereiro do ano passado, me deparei com essa foto aqui, na pracinha, em frente ao Arco do Triunfo.

Estava tão frio que eu não tinha nem forças para sorrir para meu marido bater a fotografia.

Só para vocês imaginarem: o frio era tanto que havíamos combinado comemorar meu aniversário, com um jantar no restaurante chiquerrérrimo do segundo andar da Torre Eiffel.  Chegando lá, quem disse que conseguíamos subir?  O máximo que conseguimos foi chegar perto dos pilares para fotografar.

Resultado:  voltamos para o hotel, passamos numa boulangerie e compramos presunto, queijos ementhal, baby-bel e outros, pães, vinho e cerveja.  Ao entrar no quarto do hotel, deixamos o vinho e a cerveja para gelar, do lado de fora da janela.

Foi maravilhoso!  Bem melhor do que o restaurante.  Isso eu garanto!

Enfim, fica o registro.  Que venham outras viagens à Europa, a Paris… 

Mas!!! No verão, bem entendido!!!



 

The Gates Central Park, Nova York, 2005.



The Wall, – instalação interna com 13.000 tambores de oleo – Gasometer, Oberhausen, 1999



Wrapped Trees – Fondation Beyeler and BerowerPark, Riehen, Switzerland, 1998



The Reichstag – 1995 – Mais de 100.000m2 de tecido de polipropileno à prova de fogo, cobertos por uma camada de alumínio e 15km de cordas. Berlim, Alemanha.



Umbrellas – 1991 – O plano de Christo era de colocar guarda-chuvas azuis e amarelos na California (amarelos) e no Japão (azuis), de 6m de altura e 9m de diâmetro, ao mesmo tempo.
O custo final do projeto totalizou 26 milhões de dólares.
Os guarda-chuvas viraram atração turística, locais de pic-nic e altares de casamento.
Uma mulher morreu ao ser atingida por um dos guarda-chuvas arrancados pelo vento; e um homem foi eletrocutado enquanto removia alguns deles, que estavam em contato com fios de alta-tensão.



et cetera
%d blogueiros gostam disto: