What´s new, Lili? Dicas de viagens. Enjoy!











Bruce Nauman – seus trabalhos com neon parecem fascinados pela comunicação e pelos problemas inerentes à linguagem.  Também se preocupam com o papel do artista como comunicador e manipulador de signos visuais.

Para deixar seu comentário, é só clicar no título st!

Anúncios


walter_de_maria_ligtning_fieldWalter de Maria – The Lightning Field (1977)

Um trabalho de land-art no deserto do Novo México (EUA), que consiste em 400 postes de aço de 2 polegadas de diâmetro, plantados numa área de 1 km2. A hora e as mudanças de tempo criam os efeitos ópticos, especialmente em momentos de tempestades. Uma escultura para ser vista e para se andar por dentro dela.  Os que a visitaram eram encorajados a esperar pelo nascer ou por-do-sol.

Para deixar seu comentário, é só clicar no título do post!



Edward Ruscha – Seus livros de fotografia o levaram à pop art.

Seu trabalho mais famoso, Large Trademark with Eight Spotlights (imagem à esquerda, acima) de 1961, exemplifica seu interesse na cultura popular e em grafismos comerciais. 

 

Standard Station (acima, a fotografia original do posto ao lado de duas versões da arte de Ruscha) foi muito reproduzida em silkscreen, em t-shirts. 

Liquid word paintings – Em 1964, Ruscha começou a fazer experimentos com o desenho de palavras e frases, como Lisp – 1968.

Cliquem no título do post para deixar seus comentários! 



 Joseph Beuys, um artista alemão, viajou para os EUA, em 1974 e realizou um ato performático de título: I like America and americans like me (Eu gosto da América e os americanos gostam de mim), em Nova York.

I like America and americans like me

I like America and americans like me

 

O ato, na verdade, começou no aeroporto, quando chegou e foi envolvido, por amigos, em uma manta de feltro negro e foi levado para uma galeria, num carro fechado.
Beuys passou, então, vários dias numa sala fechada, com uma lanterna, um cajado, algumas cópias do Walt Street Journal e um coiote.

É… um coiote.

A escolha do coiote deveu-se ao animal ter um significado spiritual para os índios norte-americanos – uma crítica do país que realizou sua expansão para o oeste, com a ruína de seus nativos.

Joseph Beuys dizia que a sua arte foi destinada a despertar nas pessoas uma “resposta espiritual”, e foi o seu papel, fornecer os meios de salientar que o ser humano é um ser criativo.
Joseph Beuys via a arte com potencial de auto-cura e transformação social. Ele acreditava que através de rituais, poderia assumir o papel de um xamã moderno e transformar o mundo em torno dele.
Suas performances, utilizaram elementos do absurdo e camadas de significados e símbolos, no intuito de preparar os indivíduos para uma evolução espiritual.

The whole process of living is my creative act.” (O meu ato criativo é todo o processo da vida)
Joseph Beuys



yves_klein_angel-blueO francês Yves Klein fez muitas pinturas monocromáticas, sem fixar-se em uma única cor.

Mas, ao final da década de 50, seus trabalhos tornaram-se exclusivamente produzidos em um matiz de azul intenso, que ele patenteou como International Klein Blue, como na imagem ao lado, embora a cor jamais tenha sido produzida comercialmente.

Paralelamente às pinturas convencionais, em diversos trabalhos Klein utilizou-se de modelos nuas cobertas com tinta azul, que moviam-se ou imprimiam-se sobre telas para formar a imagem, utilizando as modelos como “pincéis vivos”.

Este tipo de trabalho ele denominou de “Antropometria”.

Havia uma platéia vestida a rigor, observando as modelos realizarem suas performances, enquanto um grupo de músicos executavam “A Sinfonia Monotônica” de Klein, que consistia de uma única nota.

Em outra performance, ele coordenou a venda de espaços vazios na cidade de Paris, em troca de ouro. Ele desejava que os compradores experimentassem “o Vazio”.  De seu ponto de vista, esta experiência somente poderia ser paga com o mais puro material: o ouro.  Para restabelecer a ordem natural que ele desequilibrou, com essa venda, Klein jogou o ouro que recebeu no rio Sena.

Cliquem no título do post para deixar seus comentários!



Cindy Sherman – uma fotógrafa americana, trabalha com fotos em série.

"film noir"

"film noir"

 

cindy-sherman-1

Numa das suas series mais famosas, a Untitled Film Stills, de 1980, ela se retrata com roupas e poses diferentes, entre as quais, como uma atriz de filmes “noir” (imagem à esquerda), uma “pin-up”, ou uma atriz de filmes musicais (como na imagem acima), entre as 69 lindas e intrigantes fotos em preto e branco.

Em 1995, ela recebeu o prêmio MacArthur, conhecido como prêmio dos Gênios, que garantiu uma bolsa para pesquisa e projeto, de 500.000 dólares, em cinco anos.



{setembro 20, 2008}   Arte contemporânea

Como alguns de meus leitores já sabem, estou cursando a pós graduação em Arte e Cultura na Universidade Cândido Mendes e, a cada aula que vou, mais me entusiasmo com o tema. Não são aulas – são momentos de puro deleite. Começo, portanto, com a aula de hoje – arte contemporânea de Robert Smithson

Robert Smithson – seu trabalho mais famoso é a Spiral Jetty, de 1970, que é uma espiral de 460m de comprimento e 50m de diâmetro, que penetra pelo Great Salt lake de Utah, nos EUA, construído com 6500 toneladas de basalto, terra e sal. Essa land-art (interferência na natureza) foi inteiramente submersa pela elevação das águas vermelhas do lago.

Cliquem no título do post para deixar seus comentários!



et cetera
%d blogueiros gostam disto: